8 de abr de 2016

Pesquisa sobre o uso dos dados e perfil do usuário da rede speciesLink

Objetivo: compreender quem está usando a rede e com que finalidade, para melhorar os serviços oferecidos


Com o apoio da Fapesp, o CRIA lançou em outubro de 2002 a rede speciesLink com informação sobre espécies e espécimes da fauna, flora e microbiota, integrando dados de acervos de 12 coleções biológicas do estado de São Paulo. Após uma década de evolução, a rede integra 415 conjuntos de dados de plantas, fungos, animais, microrganismos e fósseis. São mais de 7,6 milhões de registros textuais e mais de um milhão de imagens on-line, todos de acesso livre e aberto.

Visando agregar valor e funcionalidade à infraestrutura, foram desenvolvidas ferramentas para a visualização dos dados (produção de inventários, mapas, gráficos, catálogos) e melhoria da qualidade dos dados (indicadores de erros potenciais e relatórios de qualidade - dataCleaning), além de ferramentas de suporte à ciência colaborativa (BioGeo e Anotações), e o sistema para a análise das lacunas de dados e de conhecimento taxonômico e geográfico - Lacunas.

Análises do acesso aos dados através da interface de busca em 2015, mostram que mais de 4 bilhões de registros atenderam aos critérios de busca dos usuários Desses, cerca de 480 milhões de registros e mais de 3 milhões de imagens foram utilizados. Tem-se ainda que o sistema registra uma média de 30 mil visitas mensais, sendo 95% dos acessos de computadores localizados no Brasil.

Visando melhorar os serviços e identificar novas demandas, o CRIA preparou um questionário com o intuito de avaliar o perfil dos usuários e finalidade de utilização dos dados. O questionário foi disponibilizado on-line no dia 29 de março e até o momento foram recebidas 390 respostas que serviram de base para a análise preliminar apresentada a seguir. 

43% do uso da rede está relacionado com atividades de pesquisa, 19% para ensino e 37% para outras finalidades.  No uso em pesquisa, merece destaque a área de taxonomia e sistemática, seguida de biogeografia, conservação, ecologia e macroecologia. Nas atividades de ensino predomina o uso em botânica, seguida pela ecologia, zoologia, micologia e microbiologia. Com referência a “outros usos” a pesquisa indica a produção de listas de flora, fauna, micota e de espécies ameaçadas, o planejamento de novas coletas, estudos de impacto ambiental, políticas públicas e gestão ambiental, com alguns usos em menor escala, em bioprospecção e biotecnologia.



Quanto ao perfil dos usuários, a grande maioria reside no Brasil e tem pós graduação. Mais da metade atua em universidades, mas é importante destacar os serviços prestados pela rede a usuários do setor privado, escolas e ONGs.


25% das respostas incluíram comentários, sugestões e novas demandas como:
  • ampliar a oferta de imagens de melhor qualidade; 
  • melhorar e ampliar o BioGeo, ferramenta para produção e publicação de modelos de distribuição de espécies;
  • desenvolver uma interface de busca por polígonos geográficos;
  • uso de pacotes R;
  • várias sugestões sobre ferramentas que trabalham com a qualidade dos nomes das espécies;
  • organização dos dados de fenologia;
  • várias sugestões sobre a interface de busca;
  • aplicativos para celulares;
  • tratamento de duplicatas;
  • maior compatibilidade com Brahms; e,
  • integração dos dados com outras fontes de informação.
Algumas destas sugestões já foram incluídas na nova proposta do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia Herbário Virtual da Flora e dos Fungos submetida ao CNPq em 2014, e aguarda avaliação e contratação.

Os resultados dessa pesquisa certamente irão orientar os trabalhos, não só quanto a desenvolvimentos futuros, mas também quanto ao estabelecimento de novas parcerias para complementar as informações disponíveis e para atender outros públicos e novas demandas.

Agradecemos a todos que colaboraram com as suas ideias e solicitamos àqueles que utilizam os dados da rede speciesLink que ainda não responderam à pesquisa, que o façam para que possamos atender cada vez melhor.


Apoio:



























Nenhum comentário:

Postar um comentário