8 de jan de 2018

Lacunas – versão janeiro de 2018

http://lacunas.inct.florabrasil.net



Em setembro de 2012 foi lançado o sistema Lacunas com o objetivo de cruzar os dados disponíveis no INCT – Herbário Virtual da Flora e dos Fungos com os dados publicados na lista oficial das espécies da flora e dos fungos que ocorrem no Brasil.

A ideia foi criar uma ferramenta para facilmente identificar as lacunas de dados taxonômicos e geográficos do INCT - Herbário Virtual. Com essa informação, o Comitê Gestor do INCT pode priorizar a integração de novos acervos, a digitação de dados e ações para melhorar a qualidade dos dados on-line.

O banco de dados do sistema permite buscas fonéticas, além de permitir a associação dos sinônimos a cada nome científico aceito. Assim o sistema permite comparar buscas exatas com fonéticas e buscas somente com nomes aceitos ou com a inclusão de sinônimos. Com isso é possível também avaliar qualitativamente a necessidade de atualização dos nomes e correção de erros de digitação pelas coleções.

Figura 1. Alguns elementos do relatório Lacunas para Angiospermas (Fonte: Lacunas, Jan/2018)


Uma nova versão dos relatórios é produzida, no mínimo a cada seis meses, o que permite observar a evolução qualitativa do Herbário Virtual.

A Lista de Espécies da Flora do Brasil, coordenada pelo Jardim Botânico do Rio de Janeiro, hoje denominada Flora do Brasil 2020, também evoluiu desde 2010, introduzindo novos elementos e novas espécies. Essas mudanças foram também introduzidas no Lacunas. Hoje, por exemplo, é possível avaliar o status dos dados dos diferentes grupos taxonômicos (algas, angiospermas, briófitas, fungos, gimnospermas e samambaias e licófitas) selecionando apenas espécies nativas, cultivadas ou naturalizadas.

Nesse período também houve a avaliação do CNCFlora do status de conservação das espécies da flora do Brasil e o MMA publicou nova portaria com o status das espécies ameaçadas de extinção. Esses dados também foram incorporados ao sistema.


O gráfico a seguir mostra uma análise do número de espécies sem registros no Herbário Virtual em janeiro de 2018, de acordo com dois critérios: (1) busca fonética, incluindo sinônimos, com ou sem coordenadas geográficas e (2) busca fonética, incluindo sinônimos, com coordenadas originais consistentes e distintas, ou seja, com coordenadas informadas pelas coleções. A segunda opção não considera os registros com coordenadas georreferenciadas automaticamente por aplicativo.



O gráfico mostra, de maneira clara, lacunas mais significativas de dados dos grupos Algas e Fungos. Esses grupos também têm mais problemas com o georreferenciamento de seus dados. Fungos que têm cerca de 35% das espécies citadas na Flora 2020 sem dados no Herbário Virtual, mas passa a ter 77% se considerarmos apenas registros com coordenadas consistentes e distintas, informadas pela coleção. Essa comparação mostra que além de integrar mais dados desses grupos taxonômicos é necessário trabalhar no seu georreferenciamento.

Até mesmo as espécies que constam na Lista Nacional Oficial de Espécies da Flora Ameaçadas de Extinção - Portaria nº 443 de 17 de dezembro de 2014 apresentam 2% das espécies sem registros no herbário virtual e 14% sem registros se considerarmos coordenadas geográficas consistentes e distintas, informadas pela coleção.

Muitas outras análises podem ser realizadas, inclusive por famílias e gêneros. Reiteramos que os relatórios estão disponíveis on-line, abertos a todos e os blogs do CRIA e do INCT-Herbário Virtual estão abertos a todos que queiram publicar suas análises.


5 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir