26 de nov de 2018

A importância da qualidade e padronização dos dados sobre biodiversidade

Dois artigos publicados no mês de novembro mostram a importância das e-infraestruturas locais de dados sobre biodiversidade e a necessidade de trabalhar na sua qualidade e padronização: Data Leakage and Loss in Biodiversity Informatics e The Bari Manifesto: An interoperability framework for essential biodiversity variables.

Data Leakage and Loss in Biodiversity Informatics. A. Townsend Peterson, Alex Asase, Dora Ann Lange Canhos, Sidnei de Souza, John Wieczorek. Biodiversity Data Journal 6: e26826. https://doi.org/10.3897/BDJ.6e26826 (07/Nov/2018).

O trabalho apresenta uma análise de três dimensões dos dados acessados: tempo, táxon e local. Os seguintes bancos de dados foram avaliados:

  • coleções ornitológicas do VertNet;
  • dados de herbários do GBIF (Global Biodiversity Information Facility); e,
  • dados do Herbário Virtual da Flora e dos Fungos na rede speciesLink.


Das três dimensões analisadas, os dados sobre o tempo e táxon foram os mais completos e imediatamente utilizáveis. Considerando os dados do Herbário Virtual (março de 2017), 80,6% dos dados sobre a data da coleta e 66,2% das informações taxonômicos estavam completas com nomes aceitos. No entanto, somente 36,6% dos dados geográficos estavam completos, isso sem considerar dados sobre a precisão da coordenada geográfica. Na rede speciesLink, nenhum registro vindo das coleções possui dados sobre a precisão da coordenada. Somente os registros georreferenciados por aplicativo (por município) é que possuem o erro associado à coordenada geográfica.

O artigo traz informações sobre as outras redes, VertNet e GBIF. A necessidade de trabalhar a qualidade dos dados mostra a importância das e-infraestruturas locais. Redes globais como o GBIF são importantes agregadores de dados, fundamentais para análises globais, mas cabe às redes locais desenvolver aplicativos e compartilhar práticas para melhorar a qualidade dos dados.

The Bari Manifesto: An interoperability framework for essential biodiversity variables. Alex R. Hardisty, William K. Michener, Donat Agosti, EnriqueAlonso García, Lucy Bastin, Lee Belbin, Anne Bowser, Pier Luigi Buttigieg, Dora A.L. Canhos, Willi Egloff, Renato De Giovanni, Rui Figueira, Quentin Groom, Robert P. Guralnick, Donald Hobern, Wim Hugo, Dimitris Koureas, Liqiang Ji, Wouter Los, Jeffrey Manuel, David Manset, Jorrit Poelen, Hannu Saarenmaa, Dmitry Schigel, Paul F.Uhlir, W. Daniel Kissling. Ecological Informatics. Volume 49, January 2019, Pages 22-31.

Variáveis Essenciais da Biodiversidade (Essential Biodiversity Variables - EBVs) são variáveis que podem ser usadas para avaliar a mudança da biodiversidade ao longo do tempo, para determinar a aderência às políticas de biodiversidade, para monitorar o progresso em relação às metas de desenvolvimento sustentável e para rastrear respostas da biodiversidade a distúrbios e intervenções de manejo. Dados de observação ou modelos que fornecem valores de EBVs podem ajudar a medir tendências na biodiversidade, em diferentes escalas - local a global. Para tanto, dados disponíveis nas diferentes e-infraestruturas do mundo precisam estar disponíveis de forma aberta, em formatos utilizáveis e com padrões de qualidade conhecidos. O Bari Manifesto apresenta 10 princípios que podem ser adotados pelas e-infraestruturas de dados sobre biodiversidade existentes e dessa forma promover a sua interoperabilidade e a produção das EBVs.

Ambos os artigos mostram a importância da qualidade dos dados e da inserção das e-infraestruturas locais no contexto global, fundamental para a resolução de problemas locais e contribuindo para o desenvolvimento de políticas visando o uso sustentável dos recursos naturais do planeta.



Nenhum comentário:

Postar um comentário