8 de abr. de 2021

“Por que não conseguimos aproveitar o valor econômico da biodiversidade? ”

 Helba Cirino Souza


Vol. I, Part I, Fasc. See Urban Prancha 1, Publicado em 1906. Flora Brasiliensis - fb.cria.org.br

Esse é o questionamento lançado por Rubens Naves em artigo publicado na revista “Le Monde Diplomatique Brasil” nº 165. Questionamento que provoca profundas reflexões e tem como saída grandes transformações.

Continua Rubens: É preciso transformar a forma como vivemos, trabalhamos e nos relacionamos. A questão é que o futuro chegou e, com ele, a conta ambiental. O Brasil ainda tem a possibilidade de dar a volta por cima com uma perspectiva concreta de prosperidade sustentável. A evolução biológica, que nos presenteou com a máxima biodiversidade do planeta, tem o potencial de realmente transformar o país. Temos os meios de criar ferramentas para colocar em prática a bioeconomia da floresta em pé, respeitando o conhecimento dos povos tradicionais que sabem desse potencial.

Rubens Naves preside o Conselho Deliberativo do Centro de Referência em Informação Ambiental – CRIA, instituição que ao longo de seus 20 anos tem contribuído para a disponibilidade de informações sobre a biodiversidade brasileira, de forma livre, gratuita e online. Os sistemas públicos de informação são resultados de um trabalho colaborativo entre cientistas, universidades e institutos de pesquisas do Brasil e do Exterior.

Precisamos nos harmonizar à natureza e preservá-la para garantir a sobrevivência da espécie humana. Desenvolvimento e preservação ambiental precisam caminhar juntos. O Brasil pode se transformar em uma potência biotecnológica através do manejo consciente da biodiversidade. Mudanças radicais são necessárias!



Nenhum comentário:

Postar um comentário